logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 15 estados.

O Estado de S. Paulo: greve dos bancários entra na 2ª semana sem previsão de acabar

Home / Informativos / Leis e Notícias /

24 de setembro, 2012 por Poliana Nunes

A greve dos bancários entra na segunda semana e ainda não tem previsão de acabar. Se depender do histórico recente de paralisações do setor, a mobilização deve durar pelo menos até o fim de semana.O economista e pesquisador Fernando de Holanda Barbosa Filho, do IBRE/FGV, comenta que as greves dos bancários costumam ocorrer em setembro, quando é definido o dissídio da categoria. Esse seria o período ideal para tentar a renegociação dos contratos."A situação econômica do país é boa neste momento, e favorável ao trabalhador. Então o poder de barganha está maior." Nos últimos cinco anos, foram cinco paralisações do setor – uma a cada ano. Elas passaram a ocorrer com mais intensidade com o fim das fusões entre instituições bancárias. "Antes não compensava para o funcionário fazer uma paralisação. O volume de demissões era alto, e o momento não era propício."Com a estabilidade, a greve se tornou uma boa opção para pressionar as instituições a conceder os aumentos. Desde 2008, todos os acordos que puseram fim às greves ficaram no meio-termo, tanto para os bancos quanto para os funcionários.Sócio do escritório LOBaptista-SVMFA, o advogado Fábio Chong, especialista em causas trabalhistas, diz que, embora as greves sejam uma forma legítima de protesto, elas deveriam ser uma opção somente em casos extremos, quando não há mais o que ser negociado."A greve é apenas a consequência natural de reivindicações que dificilmente serão atendidas. A negociação baseada na meritocracia me parece mais adequada para assegurar ganhos financeiros ao empregado."Em Brasília, está sob análise o projeto de lei do Senado 127/2012, de autoria do senador Ciro Nogueira (PP-PI), que pretende enquadrar o serviço dos bancos como essencial. Isso restringiria o direito de greve."A medida pode ser efetiva. Hoje o que a lei considera como serviço essencial é apenas a compensação bancária, de forma que fica o sindicato desobrigado a manter um atendimento mínimo nas agências, causando os transtornos conhecidos", explica Chong.Barbosa Filho avalia que o prejuízo é praticamente zero para a população. Ele avalia que o dano maior é o desconforto causado pelo fechamento das agências.A frequência com que as greves acontecem, aliás, poderia estimular um novo comportamento dos bancos: a informatização em massa dos setores, que atualmente acontece de forma gradual. "Não que seja uma regra, que a longo prazo o quadro de funcionários chegue a zero. Mas, conforme as reivindicações fiquem mais caras e a instituição comece a ter muitos prejuízos, a informatização dos serviços pode se tornar uma opção mais interessante para os bancos."Fonte: O Estado de S. Paulo – 24/09/2012 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados