logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 15 estados.

Correio Braziliense: Sindicatos na Justiça

Home / Informativos / Leis e Notícias /

22 de julho, 2012 por Poliana Nunes

A guerra judicial que já tinha se iniciado em consequência da divulgação dos salários dos servidores federais do Poder Executivo na internet, retornou com novo fôlego e interrompe a publicação das informações em alguns órgãos do Judiciário. Sindicatos estaduais ligados a funcionários e magistrados dos tribunais já ingressaram com liminares na primeira instância para suspender a exposição das remunerações de forma nominal. As associações alegam que a divulgação de forma individualizada fere as garantias individuais, liberdade, intimidade, vida privada, honra e imagem dos servidores.O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que concentra os três estados do Sul do país, informa que publicaria as informações dos seus funcionários nesta sexta-feira, mas que, devido à decisão da 1ª Vara Federal de Porto Alegre de suspender a divulgação das remunerações com a identificação nominal, cancelou o ato. No Rio de Janeiro, a Associação dos Magistrados do estado ganhou liminar junto ao Tribunal Federal da 2ª Região para que o TJ-RJ não divulgue o nome das pessoas e seus respetivos vencimentos.A questão é polêmica e já chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF) por, pelo menos, duas vezes, sendo que a Corte até hoje não tomou uma decisão definitiva sobre o tema. Em 2009, sindicatos paulistas protestaram contra a divulgação dos contracheques de servidores da prefeitura de São Paulo. O STF liberou a publicação dos dados quando analisou o caso. Neste ano, após a Controladoria-Geral da União (CGU) divulgar os salários de mais de 569 mil funcionários no Portal da Transparência, a Confederação dos Servidores Públicos do Brasil entrou com pedido de suspensão dos dados. Ganhou a liminar na 22ª Vara de Justiça do DF, mas depois o STF decidiu liberar as informações.A 22ª Vara do DF ainda vai analisar o mérito da questão. Até lá, se o STF não resolver de forma definitiva se pode divulgar os salários na internet, a questão permanecerá juridicamente aberta.Fonte: Correio Braziliense – 21/07/2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados