logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 12 estados.

Correio Braziliense: Governo no limite para servidores

Home / Informativos / Leis e Notícias /

19 de julho, 2012 por Poliana Nunes

Enquanto a economia brasileira encolhe a olhos vistos em meio ao agravamento da crise global — as projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano estão em 1,9% —, a palavra de ordem dentro do Palácio do Planalto é manter fechadas as torneiras para reajustes dos servidores. Diante da decisão de parte do funcionalismo de cruzar os braços como pressão por aumento de salários, a presidente Dilma Rousseff mandou avisar que não cederá, nem mesmo aos professores, que exigem uma nova proposta, por considerarem inaceitável a correção de até 45% apresentada na última sexta-feira pelo Ministério do Planejamento.Na avaliação da presidente, qualquer recurso disponível do Orçamento de 2013, que ainda está em elaboração em meio a um quadro de frustração de receitas, será destinado ao incremento da atividade (leia mais na página 13). Dilma quer estimular a economia para preservar os empregos privados, segundo ela, ameaçados pela crise. "Os servidores já tiveram reajustes nos últimos 10 anos e têm estabilidade. Mesmo que aconteça o pior na Europa e nos Estados Unidos, continuarão empregados. Portanto, devem dar a sua cota de sacrifício", disse um assessor do Planalto. Os servidores entregaram uma fatura de R$ 92,2 bilhões ao governo, quantia que, segundo a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, representa 50% da atual folha de salários do funcionalismo.Ontem, a ministra da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, recebeu um grupo de sindicalistas em seu gabinete e sinalizou que o governo não está disposto a abrir uma janela para negociações, o que frustrou o novo presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Wagner Freitas. Ele pediu a Ideli que intercedesse para destravar as negociações entre os servidores e o Planejamento. "Colocamos à ministra que, na nossa avaliação, é muito ruim o processo de greve dos servidores ocorrer e o governo não fazer nenhuma proposta", disse Freitas. "É necessária a negociação com outras categorias, além dos professores", emendou.Quem passou pela Esplanada dos Ministérios ontem para conferir o segundo dia de acampamento dos servidores públicos federais em greve viu muita festa e pouca manifestação. Nas tendas armadas no gramado da Esplanada dos Ministérios, ao lado da Catedral, muitos dos servidores bebiam cerveja, munidos de pandeiros e tambores. O divertimento só foi interrompido durante a primeira atividade do dia: uma marcha até o Planalto marcada para as 14h30, que agregou 400 pessoas. Para conter os grevistas — alguns já alterados —, a organização do acampamento pediu para que os ambulantes que vendiam bebidas alcoolicas e churrasco se retirassem da área das barracas.Ao contrário do primeiro dia, desapontador para o movimento, vários servidores circularam pelo local e cerca de 50 barracas já estavam armadas no fim da tarde de ontem. Hoje, a marcha pela Esplanada até o bloco K do Ministério do Planejamento é a grande aposta dos manifestantes para pressionar o governo pelo reajuste salarial. A expectativa é de que a caminhada reúna 5 mil servidores, que devem chegar nesta manhã direto para o evento.Tesouro pode pararServidores da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e da Controladoria Geral da União (CGU) realizaram um ato de protesto, na tarde de ontem, no Ministério da Fazenda. Os manifestantes fizeram uma caminhada até a sala do secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, cobrar uma reunião com a categoria para tratar da campanha salarial de 2012. Os funcionários querem recuperar a perda salarial desde 2008, data da última negociação, que ultrapassa 20%, segundo o Sindicato Nacional dos Analistas e Técnicos de Finanças e Controle (Unacon Sindical). Os manifestantes não conseguiram ser recebidos por Augustin. A categoria ameaça entrar em greve por tempo indeterminado, a partir de 13 de agosto, caso o governo não comece as discussões até 30 de julho.Fonte: Correio Braziliense – 18/07/2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados