logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 15 estados.

Correio Braziliense: família de servidor tem rende 73% maior

Home / Informativos / Leis e Notícias /

15 de setembro, 2012 por Poliana Nunes

As famílias mantidas por servidores públicos estão entre as de maior renda no país. Dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram também que elas são as que mais gastam e, ainda, as mais endividadas. Na comparação com outras cinco categorias de famílias, as do funcionalismo têm renda e despesas menores apenas que as sustentadas por empregador, ou seja, quem é dono do próprio negócio. Frente aos trabalhadores do setor privado, o orçamento mensal dos empregados públicos é 73% maior, chegando a R$ 4.327,08 em média. Os dados são da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF).As famílias sustentadas por funcionários públicos incluem dois tipos: as que conseguem poupar e as endividadas — uma situação não exclui necessariamente a outra. Entre as famílias observadas pelo IBGE, são as terceiras a destinar mais recursos para aumento de patrimônio: de todas as despesas dos servidores, em média 5,7% são investidos. As dívidas pesam um pouco menos no cômputo geral: 3,6% das despesas mensais são corroídas por juros. "Como eles são os de maior renda, consequentemente têm mais recursos para investir e para pegar empréstimos", explica Júlio Miragaya, economista e diretor de Gestão de Informações da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan). Com a estabilidade do emprego público, muitos se empolgam e acabam fazendo dívidas elevadas demais.FinanciamentoO sonho da casa própria acabou se tornando um problema para o servidor público Pedro Henrique Rodrigues, 30 anos. Três anos após a compra de um apartamento, o rapaz sente agora o peso das parcelas do financiamento, que ainda levará 17 anos para ser quitado. Segundo as contas de Pedro, ao menos 80% do salário de R$ 5 mil como servidor do Ministério Público da União está comprometido com as prestações.Com uma parcela tão grande destinada ao imóvel, Pedro confessa que o orçamento anda apertado, o que prejudica gastos com o lazer. "Só consigo viajar, por exemplo, a cada dois anos. Não sobra dinheiro", revela.Fonte: Correio Braziliense – 15/09/2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados