logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 12 estados.

Confusão dos diabos – Coluna de Eliane Cantanhêde

Home / Informativos / Leis e Notícias /

15 de outubro, 2012 por Poliana Nunes

Um funcionário do Senado "roubou" o número de um CPF alheio, bisbilhotou os salários de oito colegas e foi pego pelo CPU do seu computador, gerando uma confusão dos diabos e a ameaça de processo de demissão.Para que o servidor foi escarafunchar os salários de colegas? Para exercitar sentimentos da alma, como inveja, ciúme, competição? Ou para repassar a agiotas, por exemplo? Vá se saber.Abrir os salários dos diferentes cargos e funções, nos três Poderes e nas três esferas da administração, com a possibilidade de cortes específicos, como desvio de padrão, excessos ou acumulações malandras, tudo bem. Mas a exposição indiscriminada de salários, pessoa a pessoa, não apenas cria constrangimentos como atiça um emaranhado de interesses comerciais, não raro escusos.A exposição sem critério de salários começa a gerar uma indústria paralela de dados para imobiliárias, agências de viagens, doleiros e serviços de mil e uma utilidades, deturpando uma intenção original correta: garantir o acesso da população a informações sobre desvios e excessos de salários que ela paga a servidores que –o termo já diz tudo– são públicos.Em vez disso, todos, sem exceção, estão expostos à visitação pública e aos sentimentos e ações mais adversos. Imagine, na sua empresa e na sua família, o colega da mesa ao lado tendo acesso ao seu contracheque, o cunhado descobrindo que você ganha o dobro e o vizinho deleitando-se ao saber que seu salário é metade do dele.O colega, de rabo de olho, ruminando no trabalho: "O que ele tem que eu não tenho? Ele ganha mais por que é alto e eu sou baixo, ou porque é magro e eu sou gordo?"Transparência é fundamental, mas generalizações costumam ser perigosas e o direito à privacidade é um princípio universal. Pelo menos, deveria ser.Fonte: Folha on Line – Coluna de Eliane Cantanhêde – 14.0.10.2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados