logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 13 estados.

Servidores fecham estratégia de pressão

Home / Informativos / Leis e Notícias /

09 de junho, 2015 por Poliana Nunes

No dia em que o governo lança o pacote de infraestrutura, com previsão de investimentos de  R$ 190 bilhões, os servidores das carreiras típicas de Estado se reúnem, a portas fechadas, para alinhavar armadilhas que podem jogar por terra os programas de incentivo à inciativa privada. O Fórum Nacional Permanente das Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) representa 27 entidades federais, estaduais e municipais de especialistas nas áreas de planejamento, orçamento, arrecadação, fiscalização, controle e segurança, com atividades específicas e poderes para “movimenter ou paralisar a gestão pública“. Lideranças do Fonacate debatem, esta tarde, as estratégias de enfrentamento e não descartam paralisação conjunta por tempo indeterminado.

 

“Conhecendo a máquina pública por dentro, é o tipo de movimento que, se eu estivesse no governo, não gostaria de enfrentar. Esses sinais de insatisfação emitidos pelos servidores que fazem a economia andar devem sim preocupar o Executivo”, analisou José Matias-Pereira, especialista em finanças públicas da Universidade de Brasília (UnB). Técnicos ligados ao governo, no entanto, declararam que as ameaças do funcionalismo produzem mais barulho que efeito prático ao caixa do governo.

 

Rudinei Marques, secretário-geral do Fórum, explica que, caso não haja contraproposta à pauta unificada da Campanha Salarial 2015, os impactos da indignação dos servidores nos cofres da União serão difíceis de avaliar. “Uma paralisação na Controladoria-Geral da União (CGU) ou no Tesouro, por exemplo, impedirá o dinheiro de circular, até mesmo a verba que vai para estados e municípios. Tentaremos evitar uma situação limite. Mas a tática de protelar as negociações é perversa”, reiterou. Além disso, após o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, declarar que o reajuste de 27,3% pedido pelos servidores é inviável, sem apontar um percentual, o temor é de que o governo dê mais uma “pedalada” em 2016.

 

Fonte: Correio Braziliense

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados