logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 13 estados.

Policiais querem carreira única e natureza civil, aponta pesquisa da FGV

Home / Informativos / Leis e Notícias /

31 de julho, 2014 por Poliana Nunes

As polícias deveriam ser organizadas no Brasil em carreira única, integrada e de natureza civil. É o que aponta pesquisa feita pela Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas de São Paulo e pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), divulgada na última quarta-feira (30/7). O levantamento ouviu 21,1 mil agentes de segurança pública de todo o país entre 30 de junho e 18 de julho.

 

A grande maioria respondeu a um questionário eletrônico porque já tinha cadastro na rede de ensino a distância da Senasp, e outros 1.800 entrevistados manifestaram interesse em participar. Entre os que responderam, 94% defendem a modernização dos regimentos e dos códigos disciplinares e 64% querem o fim da Justiça militar.

 

Como obstáculos para a eficiência da segurança pública, foram apontados baixos salários (99%), formação e treinamento deficientes (98%), contingente policial insuficiente (97%), falta de verba para equipamentos e armas (97%), leis penais inadequadas (95%) e corrupção (94%). Segundo 86% dos participantes, falta foco em resultado e sobra burocracia.

 

Para mais da metade dos entrevistados (51%), o Ministério Público não considera as dificuldades inerentes ao trabalho policial e cobra demais sem colaborar para gerar melhorias. Praticamente o mesmo percentual (50%) pensa o mesmo em relação ao Judiciário.

 

Arrependimento

 

Quase 35% dos respondentes afirmam que pretendem sair da corporação assim que houver uma oportunidade profissional e 39% afirmam que, se pudessem voltar no tempo, teriam escolhido outra carreira. Cerca de 60% disseram que já foram humilhados ou desrespeitados por superiores hierárquicos.

 

Enquanto 84% dos entrevistados digam que um policial que mata um suspeito deve ser investigado e julgado, 43% afirmam que esse mesmo agente deveria ser inocentado. É o mesmo índice atingido por quem acha que um policial que mata um criminoso deve ser premiado pela corporação.

 

Dos 21,1 mil agentes de segurança pública que integraram a amostra, 53% compõem a Polícia Militar, 22% a Polícia Civil, 10% a Polícia Federal, 8% o Corpo de Bombeiros, 4% a Polícia Rodoviária Federal e 3% a Polícia Cientifica/Perícia. 

 

Fonte: Revista Consultor Jurídico

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados