logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 13 estados.

Planejar greve da PM pelo WhatsApp vira motivo de prisão no Espírito Santo

Home / Informativos / Leis e Notícias /

21 de março, 2017 por Luiz Antonio

Planejar uma nova greve da Polícia Militar virou motivo para prisão preventiva de quatro pessoas no Espírito Santo. De acordo com uma juíza do estado, a medida é necessária para impedir novo “caos” em municípios capixabas e também porque os investigados combinaram de conversar pelo aplicativo WhatsApp, o que serviria para “apagar vestígios probatórios”.

A decisão foi proferida na sexta-feira (17/3) e divulgada nesta segunda (20/3), quando a juíza Gisele Souza de Oliveira, da 4ª Vara Criminal de Vitória, levantou o sigilo dos autos. Ela permitiu a prisão de duas mulheres de PMs, de um policial e do presidente da Aspobom (associação de policiais e bombeiros do estado).

O Ministério Público alegou que todos deveriam ficar atrás das grades para garantir a ordem pública e por conveniência da instrução criminal. Para a juíza, “é evidente que a ordem pública restou gravemente ferida” durante a paralisação de fevereiro: “creio não existir na literatura jurídica e nem na jurisprudência (…) outro exemplo de situação que melhor encarne a justificativa de garantia da ordem pública, considerando essa como ‘a necessidade de preservação da boa convivência social’”.

Ainda segundo a decisão, interceptações telefônicas mostram “a intenção de desaparecer com qualquer evidência incriminatória”. O exemplo disso citado na decisão é o diálogo em que os investigados combinam de conversar pelo aplicativo WhatsApp, pois o aplicativo tem criptografia que dificulta as interceptações.

Os grampos, diz a juíza, demonstraram que uma das mulheres tem “voz ativa” no movimento paredista, orientando até familiares de estocaram comida. O policial suspeito foi convidado a participar de uma reunião a bordo de uma viatura – “realizando, em tese, a segurança do local” –, enquanto o presidente da Aspobom foi responsável por “incitar o movimento por meio de redes sociais” e cuidar da segurança das mulheres na porta dos batalhões, segundo a decisão.

Condução coercitiva

O MP-ES também queria conduzir coercitivamente alguns suspeitos, mas Gisele Oliveira rejeitou o pedido. “A medida sugerida pelo requerente não encontra previsão legal (…) Apesar de o § 1º do art. 201 do CPP admitir a condução coercitiva do investigado, exige a sua prévia intimação para comparecer perante a autoridade competente e a recalcitrância em fazê-lo, o que não se verificou na espécie”, escreveu.

Na mesma decisão em que mandou prender as pessoas acusadas de planejar uma greve, a juíza questiona: “Como justificar a condução coercitiva de um indivíduo que tem o direito de permanecer calado?”

A decisão também autorizou o cumprimento de 24 mandados de busca e apreensão em vários municípios da Grande Vitória.

Fonte: Consultor Jurídico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados