logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 15 estados.

O GLOBO: ESCUTA MOSTRA GREENHALGH PROMETENDO INTERCEDER JUNTO AO STJ

Home / Informativos / Leis e Notícias /

21 de julho, 2008 por Poliana Nunes

Em meio às suspeitas de tráfico de influência reveladas com a prisão do banqueiro Daniel Dantas, o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, ligado ao PT, foi flagrado em escuta telefônica feita pela Polícia Federal, com autorização da Justiça, prometendo interferir na indicação do subprocurador-geral da República, Eugênio Guilherme Aragão, à vaga de ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e dizendo que poderia ter procurado o próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Greenhalgh recebeu, segundo a PF, R$650 mil em honorários de Daniel Dantas. Em conversas grampeadas com autorização judicial, integrantes do suposto grupo criminoso liderado por Dantas dizem que o banqueiro só temia a primeira instância, pois teria bons contatos no Supremo Tribunal Federal (STF) e no STJ.

No diálogo, Aragão diz ao advogado que o Executivo teria de intervir num “esquema” do tribunal. Greenhalgh, que chegou a reclamar pelo fato de não ter sido procurado antes, promete recomendá-lo a Gilberto Carvalho, chefe de gabinete e principal assessor do presidente da República.

Num dos trechos, o advogado revela sua influência no governo petista e reclama de Aragão ter se candidatado à vaga antes de procurá-lo.

“Você podia ter me procurado antes (…) Eu teria ido falar com o presidente da República, teria ido falar com um monte de gente por você”, diz Greenhalgh. Aragão emenda: “Sim, mas ainda não está na hora, por isso que eu não falei ainda”. Greenhalgh ameaça não intervir a favor de Aragão, mas no fim concorda: “Tá bom, eu vou ligar para o Gilberto”.

Em seguida, logo depois de Aragão observar que haveria um esquema para indicação no STJ, Greenhalgh tranqüiliza o subprocurador. “Vou falar com ele (Gilberto), fica frio”.

Greenhalgh e as assessorias da Procuradoria Geral da República e do STJ foram procurados no fim de semana para comentarem as gravações, mas não foram encontrados.

Aragão é o primeiro colocado de uma lista sêxtupla de onde saíram três candidatos para concorrer à vaga aberta pela aposentadoria compulsória do ministro Peçanha Martins no STJ, cuja escolha é atribuição do presidente da República.

A eleição dos nomes foi feita no dia 5 de março pelo Colégio de Procuradores da República, com candidatos das unidades do Ministério Público Federal (MPF) em todo o país. Na ocasião, Aragão teve 396 votos. Em segundo lugar, ficou a procuradora Julieta Albuquerque, com 300 votos, seguida de Francisco Filho, com 283.

Apadrinhado pelo ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos e pelo ministro do STF Joaquim Barbosa, Aragão está no epicentro de uma queda-de-braço velada. Desembargadores do STJ consideram o apadrinhamento de Barbosa uma interferência.

Nas próximas semanas, o STJ escolherá uma lista tríplice que será apresentada ao presidente. Caberá a Lula definir o nome.

Procurador federal desde 1987, com pós-graduações nos EUA e na Alemanha, Aragão é considerado um linha dura. Em 2000, chegou a ameaçar com uma ação de improbidade administrativa o então advogado-geral da União Gilmar Mendes, hoje presidente do STF.

No inquérito da Operação Satiagraha, o MPF aponta Greenhalgh como suposto elo entre o governo federal e o Congresso Nacional com Daniel Dantas. A Polícia Federal e a Procuradoria da República, em São Paulo, chegaram a pedir a prisão temporária do advogado, negada pelo juiz Fausto Martin de Sanctis, da 6ª Vara Criminal Federal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados