logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 13 estados.

Médico dispensado do serviço militar não é obrigado a passar por nova seleção

Home / Informativos / Leis e Notícias /

16 de março, 2015 por Poliana Nunes

Decisão é da 24ª Vara Federal Cível em São Paulo/SP

 

O autor de um mandado de segurança conseguiu, por meio de liminar, ficar isento de participar do processo seletivo do serviço militar obrigatório para médicos da 2ª Região Militar. Ele já havia sido dispensado das Forças Armadas em 2003 por excesso de contingente, quando ainda não era formado, e entrou com a ação após ter sido convocado novamente, agora como médico. A decisão é da juíza Renata Coelho Padilha, substituta da 24ª Vara Federal Cível em São Paulo/SP.

 

De acordo com o autor, somente a partir da vigência da Lei 12.336, de outubro/2010, é que os candidatos dispensados do serviço militar passaram a integrar o grupo de profissionais de saúde que, após a conclusão do curso, poderiam ser convocados para prestar serviço. Afirma, portanto, que essas diretrizes não lhe são aplicáveis, já que sua liberação ocorreu em 2003, antes da vigência da lei.

 

Para o impetrante, que se formou em 2014, sua dispensa constitui ato jurídico perfeito porque se consumou sob o amparo da legislação anterior, não podendo ter seus efeitos alterados. Alega que a nova lei deve observar os princípios da irretroatividade e do direito adquirido, “sob pena de se aplicar o direito ao arrepio da garantia constitucional à segurança jurídica”.

 

Ao deferir a liminar, Renata Padilha ressaltou que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) firmou o entendimento de que os profissionais de saúde dispensados do serviço militar obrigatório por excesso de contingente não podem ser posteriormente convocados para prestá-lo após conclusão do curso superior.

 

“Dessa forma, entendo que não se aplica ao caso concreto a Lei 12.336/10, (…) restando incabível impossibilitar o impetrante de exercer livremente sua profissão de médico, o que pode lhe ocasionar prejuízos de ordem financeira e profissional”, diz a juíza.

 

A decisão determinou à autoridade impetrada (comandante da 2ª Região Militar) que deixe de praticar qualquer ato que implique na incorporação do autor para prestação do serviço militar obrigatório como médico, até decisão final desta ação. (JSM)

 

Processo relacionado:  0001567-55.2015.403.6100

 

Fonte: Assessoria de Comunicação Social do TRF3

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados