logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 15 estados.

FOLHA DE S. PAULO: MINISTÉRIO VAI PAGAR R$ 409 MIL PARA ABRIGAR MAIS FUNCIONÁRIOS

Home / Informativos / Leis e Notícias /

11 de novembro, 2008 por Poliana Nunes

O Ministério de Minas e Energia vai transferir parte de seus funcionários para um prédio alugado, fora da Esplanada dos Ministérios, área da capital onde está concentrada a administração pública federal. Desde 2003, a pasta perdeu dois de seus nove andares no edifício sede, que foram destinados ao Ministério do Turismo. Agora, não tem onde abrigar funcionários públicos recém-concursados e anistiados. Ao longo de um ano, o aluguel custará R$ 409,6 mil aos cofres públicos.

O ministério explicou que irão trabalhar no prédio alugado funcionários ligados a funções administrativas, como gestão de Recursos Humanos. Segundo o ministério, a mudança foi necessária uma vez que, não tendo mais o primeiro e o segundo andares do edifício sede, não teria como acomodar 74 funcionários concursados e 50 anistiados. Os anistiados foram demitidos no governo Fernando Collor (1990-1992), mas conseguiram reintegração por meio da lei 8.878/94.

Em 2003, o Ministério de Minas e Energia tinha 2.022 funcionários, segundo o Ministério do Planejamento, e gastava R$ 143,7 milhões com pessoal. Em 2008 (até junho), estava com 2.670 funcionários e os gastos chegaram a R$ 270 milhões. O Ministério do Turismo foi criado em 2003 com 286 servidores e gasto de R$ 7,2 milhões com pessoal. Está com 457 funcionários (segundo o próprio ministério) e gastando R$ 37,4 milhões (segundo o Planejamento).

A Secretaria Especial de Portos, onde trabalham 143 funcionários, não pôde ficar no edifício do Ministério dos Transportes por falta de espaço. Alugou salas em um prédio comercial pelas quais paga R$ 105 mil por mês. O próprio Ministério do Turismo mantém parte de suas atividades em salas alugadas por R$ 49 mil por mês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados