logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 13 estados.

CORREIO BRAZILIENSE: GREVE DA UNB VAI ATÉ AMANHÃ, PELO MENOS

Home / Informativos / Leis e Notícias /

29 de março, 2010 por Poliana Nunes

 
O presidente da Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (ADunB), Flávio Botelho, descartou a possibilidade de fim de greve antes da próxima terça-feira, quando está prevista uma reunião entre os funcionários da instituição de ensino público e o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo. Enquanto a definição não vem, servidores técnico-administrativos e professores da UnB fizeram mais um protesto pela manutenção da Unidade de Referência de Preço (URP), ontem.
 
O ato começou no estacionamento do estádio Mané Garrincha, por volta das 16h, e reuniu cerca de 70 pessoas. Depois, funcionários da ADdunB, do Sindicato dos Trabalhadores da Fundação UnB (Sintfub) e alunos do Diretório Central dos Estudantes (DCE) se uniram para fazer uma encenação em frente ao Centro de Convenções Ulysses Guimarães.
 
Os participantes se cobriram com cestas e sacos de lixo, além de usar apitos, tambores e alto-falantes. A diretora do Instituto de Artes Cênicas da UnB, Izabela Brochado, explicou que os objetos serviram para demonstrar como os profissionais se sentem. “Educação não é lixo, mas é assim que estão nos tratando”, ressaltou. Segundo ela, professores que participaram da Conferência Nacional de Educação (Conae) ficaram encarregados de entregar uma carta ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na qual estava escrita que a atitude de redução dos salários era “ilegal e arbitrária”.
 
A atividade de ontem ocorreu propositalmente no mesmo tempo e lugar da Conae, elaborada com o intuito de discutir as diretrizes para o próximo Plano Nacional do setor. A intenção dos grevistas teve o objetivo de chamar a atenção do governo federal, em especial do presidente Lula, para o achatamento de 26,05% na remuneração dos trabalhadores da UnB.
 
Decisão no STF
O último capítulo da novela pela manutenção da URP nos salários dos servidores da UnB deve ocorrer até 15 de abril.Durante uma audiência com o advogado da AdUnB e em conversas informais com o reitor da instituição, a ministra Cármen Lúcia, relatora do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), manifestou o desejo de julgar o mérito do caso logo após o feriado da semana santa, a ser celebrado em 2 de abril.
 
O advogado Roberto Caldas contou que a ministra expôs verbalmente que será dada “absoluta prioridade” ao julgamento. “Ela falou com o presidente do STF (Gilmar Mendes) para votar a questão na primeira quinzena de abril”, contou o representante da ADUnB. Caldas esteve com Cármen Lúcia na quarta-feira, quando entregou petição questionando a determinação do Ministério do Planejamento de cortar ou reduzir a URP, que corresponde a 26% dos salários dos servidores.
 
Caso as previsões se concretizem, o futuro dos salários dos cerca de 6 mil servidores da UnB será submetido ao plenário do STF em 16 dias. Como relatora, Carmem Lúcia será a primeira a manifestar sua posição. Dois dos 11 ministros da mais alta corte brasileira — Gilmar Mendes e Marco Aurélio de Mello — não devem participar da votação por serem professores da universidade. “Pelo vínculo com a instituição e por receberem a URP, eles perdem o poder de voto”, explicou Roberto Caldas.
 
Fonte: Correio Braziliense (29.03.2010)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados