logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 13 estados.

CORREIO BRAZILIENSE: 425 VAGAS NA FUNAI

Home / Informativos / Leis e Notícias /

16 de julho, 2009 por Poliana Nunes

O governo federal autorizou a Fundação Nacional do Índio (Funai) a realizar concurso para preencher 425 vagas. A portaria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão foi publicada no Diário Oficial da União de ontem. São 200 vagas para indigenista especializado, que exige nível superior; 150 para agente em indigenismo, de nível médio; e 74 para auxiliar em indigenista, de nível fundamental. Segundo o edital, o preenchimento das vagas está condicionado à existência de vagas.

Agora, a Funai tem seis meses — isto é, até janeiro de 2010 — para publicar o edital do concurso sob pena de perder a autorização dada ontem pelo Planejamento. De acordo com a última tabela de remuneração dos servidores públicos federais, de junho de 2009, a remuneração inicial para os cargos de nível superior da Funai é de R$ 3.849,59. Para nível médio, é de R$ 3.300,87 e, para nível fundamental, de R$ 2.654,96. A Funai tem sede em Brasília (DF) e administrações regionais em 22 estados brasileiros.

De acordo com o plano de carreira indigenista da Funai, são atribuições do indigenista especializado a formulação de políticas nacionais de indigenismo com o objetivo da promoção e garantia dos direitos dos povos indígenas conforme os dispositivos constitucionais; a melhoria da qualidade de vida das populações indígenas e a regulação; a gestão e o ordenamento do acesso e o uso sustentável dos recursos naturais das terras indígenas. Além disso, o profissional é responsável por propor instrumentos de acompanhamento da política indigenista e soluções de integração entre a política indigenista e as setoriais.

Já o agente indigenista exerce todas as atividades administrativas e logísticas a cargo da Funai, prestação de suporte e apoio técnico especializado, execução de atividades de coleta, seleção e tratamento de dados e informações especializadas, orientação e controle de processos voltados às áreas de proteção e defesa dos povos indígenas e acompanhamento e fiscalização das ações desenvolvidas nas áreas indígenas. Cabe ao auxiliar em indigenismo o desempenho das atividades administrativas e logísticas de nível básico.

Fonte: Correio Braziliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados