logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 12 estados.

CAMARA: EDUCAÇÃO FARÁ AUDIÊNCIA SOBRE OBRIGATORIEDADE DO EXAME DA OAB

Home / Informativos / Leis e Notícias /

10 de maio, 2011 por Poliana Nunes

 
A Comissão de Educação e Cultura realiza audiência pública nesta quinta-feira (12) para discutir a obrigatoriedade do exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para os bacharéis em Direito.
 
A audiência foi proposta pelos deputados Domingos Dutra (PT-MA) e Biffi (PT-MS). Eles afirmam que os formandos em Direito estão insatisfeitos com a exigência do exame para se exercer a profissão (Lei 8.906/94).
 
Entre os pontos considerados controversos pelos parlamentares, estão os critérios de elaboração das provas, o conteúdo do exame e o custo elevado da taxa de inscrição, que dificulta a participação de estudantes de baixa renda.
 
Os deputados lembram que já houve várias denúncias de fraudes no exame e até a anulação de provas em alguns estados. “Entendemos que a ordem não pode impedir o registro profissional por meio de um exame de natureza questionável”, afirmam.
 
Segundo os parlamentares, para a qualidade da advocacia seria mais eficaz que a OAB fiscalizasse com rigor a abertura indiscriminada de cursos jurídicos. “O exame pune o bacharel em Direito, mas deixa impunes as instituições de ensino”, reclamam.
 
Foram convidados para a audiência:
 
Рo ministro da Educa̤̣o, Fernando Haddad;
Рo procurador-geral da Rep̼blica, Roberto Gurgel;
– o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante;
Рo presidente da Unịo Nacional dos Estudantes (UNE), Augusto Chagas;
Рo presidente da Associa̤̣o Brasileira de Bachar̩is em Direito, Raul Landahl Cabral;
Рo presidente da Associa̤̣o Nacional dos Defensores P̼blicos, Andr̩ Castro; e
Рo presidente da Organiza̤̣o dos Acad̻micos e Bachar̩is do Brasil, Reinaldo Arantes, que tamb̩m ̩ coordenador do Movimento Nacional dos Bachar̩is em Direito.
 
A reunião será realizada às 10 horas, no plenário 12.
 
FONTE: CÂMARA FEDERAL
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados