logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores | OAB/RS 1419
Presente em 13 estados.

Apesar de decisão judicial, servidores da Cultura dizem que greve continua

Home / Informativos / Leis e Notícias /

05 de junho, 2014 por Poliana Nunes

Apesar de decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinando o fim da greve dos servidores do Ministério da Cultura, o comando de greve decidiu que vai continuar a paralisação.

Segundo a Confederação Brasileira dos Trabalhadores no Serviço Público Federal, os servidores ainda não receberam notificação judicial da decisão; souberam por meio da imprensa. Ainda assim, em reunião do comando nacional de greve da cultura, na tarde de hoje (4), os servidores decidiram que vão continuar o movimento e fortalecê-lo.

“Ou a gente consegue alguma coisa agora ou acabam com os servidores do Ministério da Cultura. Não temos opção. A gente vai fortalecer o movimento”, frisou Sérgio Pinto, membro do comando. “Nós estamos tentando com esse movimento resgatar a mínima viabilidade para a continuidade da política cultural do país”, defendeu. Ele assegurou que os servidores estão mantendo os serviços essenciais, como a segurança das obras de arte.

De acordo com o STJ, a notificação às entidades sindicais representantes dos servidores foi feita. A liminar vale para todo o território nacional e determina o retorno imediato dos funcionários ao trabalho, sob pena de multa diária de R$ 100 mil. Além disso, o ministro Napoleão Nunes Maia Filho proíbe a adoção de práticas que representem cerceamento à livre circulação de pessoas, sejam funcionários, autoridades ou usuários dos serviços públicos.

Os servidores do Ministério da Cultura estão em greve desde o dia 12 de maio. Eles reivindicam equiparação salarial com os funcionários da Agência Nacional do Cinema (Ancine) e da Fundação Casa de Rui Barbosa, melhores condições de trabalho, maior participação nas políticas públicas da pasta da Cultura, gratificação por titulação e plano de carreira.

Fonte: Agência Brasil – 04/06/2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

App - Wagner Advogados