logo wagner advogados
Há mais de 30 anos defendendo exclusivamente os trabalhadores
Presente em 22 estados. Selecione.

Concurso público para admissão no curso de formação de sargentos. Discriminação de condição de altura e estado civil contida no edital.

Home / Informativos / Jurídico /

29 de agosto, 2017 por Luiz Antonio

Constitucional e administrativo. Concurso público para admissão no curso de formação de sargentos. Aeronáutica. Preliminar de incompetência em razão da limitação imposta pelo art. 16 da lei 7.374/85. Afastada. Discriminação de condição de altura e estado civil contida no edital. Mantidas em conformidade com o RE 600.885/RS. Edital compreendido no período da modulação feita pelo STF. Discriminação de estado civil afastada para o futuro. Mantida a possibilidade de exigência de altura mínima, pois permitida pela Lei 12.464/11.
I. O colendo Superior Tribunal de Justiça já sedimentou entendimento no sentido de que “a restrição territorial prevista no art. 16 da Lei da Ação Civil Pública (7.347/85) não opera efeitos no que diz respeito às ações coletivas que visam proteger interesses difusos ou coletivos stricto sensu, como no presente caso” (CC 109.435/PR, Rel. Ministro Napoleão Nunes Maia Filho, Terceira Seção, julgado em 22/09/2010, DJe 15/12/2010).
II. A questão relativa ao limite de idade foi pacificada pelo julgamento do RE 600.885/RS do STF que, ao reconhecer que a Constituição Federal não recepcionou os artigos 10 e 11 da Lei 6.880/80, modulou os efeitos da decisão para manter os concursos em andamento até o dia 31/12/2012, ressalvando o direito dos litigantes que ingressaram com ações no Poder Judiciário até a data daquele julgamento.
III. Hipótese dos autos em que a Ação Civil Pública foi proposta à época em que não havia lei especificando as discriminações passíveis de serem exigidas nos editais das Forças Armadas, pelo contrário, debatia-se justamente a compatibilidade dos artigos 10 e 11 de Lei 6880/80 que delegavam aos comandantes das Forças e, portanto, à esfera infralegal, esta prerrogativa.
IV. A Lei nº 12.464, de 05/08/2011, passou a regulamentar o ensino na Aeronáutica, prevendo expressamente a possibilidade do estabelecimento de requisitos de altura, fato que enseja a perda superveniente do objeto da ação neste ponto para os concursos vindouros, pois não há utilidade e necessidade no seu provimento, uma vez que o cumprimento da lei é consectário lógico do princípio da estrita legalidade, ao qual está vinculada a Administração Pública. Permanece o interesse de agir, contudo, quanto às discriminações de estado civil, já que não disciplinada pela Lei 12.464/2011.
V. O e.STF estabeleceu no julgamento do RE 600.885/RS que disposições restritivas de acesso aos quadros militares devem se dar por lei, razão pela qual não é possível estabelecer requisitos de estado civil para os processos seletivos de Sargento da Aeronáutica diante da ausência de previsão na Lei nº 12.464/11, conforme se depreende do art. 37, inciso II, da Constituição Federal.
VI. Extinção do processo sem resolução de mérito, por superveniente falta de interesse processual, quanto aos pedidos relacionados à altura mínima (item IV). Recurso de apelação do Ministério Público Federal a que se dá provimento. Recurso de apelação da União e remessa oficial aos quais se nega provimento. TRF 1ªR., AC 0019424-24.2009.4.01.3500 / GO, Rel. Juíza Federal Maria da Penha Gomes Fontenele Meneses (convocada), Sexta Turma, Unânime, e-DJF1 de 04/08/2017. Inf. 1071.

 

Novo App - Wagner Advogados